Médicos sem Fronteiras!

Médicos sem Fronteiras!
Médicos sem Fronteiras! Doe 30 reais por mês...

Canal do Gaaia no youtube!

Loading...

domingo, 30 de julho de 2017

O Parque Witeck; Ilha verde que encanta...



Sempre ouvi falar, visto apenas por fotos,mas neste final de semana tive a oportunidade de conhecer este paraíso da paz,uma ilha verde em meio de plantações.
Uma história de vida que servirá  de exemplo para muitas gerações, desde aqueles que querem refletir um pouco em meio do verde, também aqueles que querem capturar boas imagens,também aqueles que apenas querem passar um dia maravilhoso com a família, até aqueles que querem fazer estudos, por se tratar de  área degradada  a 55 anos atrás.
  Este é o local que também encanta observadores de aves, tendo a possibilidade de observar algumas das 120 espécies que ali "gorjeiam", junto com as mais de 2.000 espécies da flora que ali encantam.

O Parque Witeck abre para visitação aos sábados, domingos e feriados nacionais, das 9h às 18h. Durante a semana somente com agendamento. Agendamentos para escolas e universidades podem ser feito por e-mail ou pelo telefone (51) 9 9997 2071, com Regina. Crianças até 3 anos não pagam, crianças de 4 a 10 anos pagam R$ 5,00. Acima de 10 anos, o valor da entrada é de R$ 10,00.



Veja a história de vida que servirá  de exemplo para muitas gerações:



Grupo Gaaia


Fonte:Site de Novo Cabrais

O Parque Witeck iniciou a sua história em 1962, quando o médico ambientalista Acido Witeck, pai do atual administrador Henrique Witeck, adquiriu o local onde hoje se encontra o parque. Tratava-se de uma terra degradada pela criação intensiva de gado, queimadas sucessivas e desmatamento das reservas nativas da região. O terreno apresentava relevo acidentado, erodido e sem nenhuma perspectiva de recuperação. Em 1966, num espaço de 10 hectares, foram plantadas as primeiras árvores em um bosque próximo ao que, na época, era a sede da fazenda, bem como criou-se o primeiro reservatório de água que deu origem ao que hoje constitui o Lago Encantado. Em 1967 iniciou-se o tratamento paisagístico em frente à antiga sede da propriedade e em 1976 plantaram-se as primeiras coníferas oriundas da Ásia, Europa, Oceania e América do Norte. Em 1977 destinaram-se mais 20 hectares ao que viria a ser o Parque Witeck e foram constituídas as primeiras ilhas temáticas, de acordo com as características das plantas (nativas, caducas, coníferas e palmeiras). Em 1991 a área do parque passou a 70 hectares, que é a área atual. A morfologia do terreno, a flora, a fauna, os recursos hídricos e a ação antrópica são elementos que constituem a atual paisagem que caracteriza o parque. Um viveiro de produção de mudas permite a reposição das espécies dentro do Parque e a comercialização de algumas delas.


Acido Witeck faleceu em 2 de agosto de 2004. Atendendo a um pedido seu, foi cremado e suas cinzas repousam no Parque Witeck, no Coração do Parque, Lago Mágico e Grande Espelho do céu. Em sua homenagem foram colocadas três pedras no local chamado Coração do Parque devido ao fato de Witeck adquirir sempre três exemplares de cada espécie de planta. As três pedras, com o tempo, adquiriram o formato de coração. “Quando Deus criou o mundo ele reservou pérolas para serem distribuídas a pessoas especiais e uma dessas pessoas recebeu a pérola, mas, não sabendo o que fazer com ela, guardou. Um dia essa pessoa sonhou que estava plantando árvores. Em certa ocasião, sem querer, a pérola e se transformou em vários tipos de sementes. Com isso ele soube que a missão dele, independente da profissão, era plantar árvores. A partir de então ele começou a plantar, e essa é a lenda da criação do Parque Witeck. Quando meu pai faleceu, nas mãos dele nós colocamos um punhado de terra do parque e sementes de árvores daqui, então se um dia olhar para o céu e tiver uma mancha verde pode saber que o Witeck está lá, de tanto que ele gostava”, contou emocionado Henrique Witeck sobre o seu pai, olhando fixamente para a placa fixada no Coração do Parque com o texto “O Homem que Plantou Árvores”, escrito um mês antes do falecimento de Acido Witeck pelo cardiologista e amigo Eduardo Florence.